domingo, junho 22, 2014

Simbolismo das Copas

Não morro de amores pelo futebol, sequer torço para times, talvez ressalvada uma simpatia de infância pelo Internacional no Rio Grande, por times gaúchos no Brasil e brasileiros no mundo.
Enquanto vivia-se uma euforia pela escolha do Brasil para sediar 2014, fui contra. Neste espaço mesmo há textos sobre isso, entendia que podíamos passar sem sediá-la, mas não vem ao caso. Fico à vontade, portanto.

Copa é uma guerra simbólica
A humanidade sempre combateu entre si. Famílias.com famílias, clãs contra clãs, tribos contra tribos e até deuses contra deuses. Trazemos a disputa em nosso DNA e é até possível que sejamos a espécie dominante por esse fato.
As seleções são exércitos desarmados. O esporte coletivo tem essa característica.


Ambas, Copas e guerras, são produzidas por entidades corruptas. FIFA e ONU, pouca diferença têm entre si em relação a seus objetivos. ONU e FIFA capitalizam seus eventos de acordo com os interesses econômicos. Ambas lucram com suas ações.
Copa custa caro, guerras também. Lucram-se com guerras e Copas num processo conhecido de transferência de poupanças, algo similar ao grande confisco promovido pela reforma do Marco alemão poucos anos após a IIGG. Ainda assim, sempre menos do que a promovida todos os minutos pelo sistema financeiro internacional. Com a diferença de não gerar miséria e fome por isso.
As guerras promovem destruição e desenvolvimento. E provocam mortes e a maior concentração de crueldades registradas pela história. Ponto para a Copa, que não destrói, e ainda que possa verter lágrimas de tristeza, estão longe da perda de filhos amados. As perdas são simbólicas, nada mais.
Guerras, quando ganhas, geram lucros fantásticos. Quando perdidas, a submissão de povos.
Copa pode custar economias, mas são investimentos que ficam.


Copas abrem o espaço necessário para a mobilização de grupos, alimentam o espírito de nacionalidade, satisfazem a necessidade ancestral da luta. Não sem razão definiu Nelson Rodrigues - o maior cronista da alma humana que já li - que a seleção é a pátria em chuteiras.
Ainda que não conquistemos o 1º lugar, já ganhamos essa Copa, porque vencemos os fantasmas que a mídia fomentou, desmontamos as mentiras de cunho eleitoral, desmascaramos os ditos "movimentos espontâneos" solertemente financiados para atingir nossa autoestima como povo.

Pois Copa é alegria, guerra é tristeza. Copa é confraternização, guerra é divisão.
Copa é disputa, guerra é morte e treva.


2 Comments:

Anonymous Gê Vorib said...

E até para mexer com a autoestima do nosso povo, é que torço pela não vitória do Brasil, nesse campeonato, FregaJr.

Não sou esportista, como também não gosto de política, e, muito menos sou patriota, mas, como muitos, sonho em poder viver em um país que seja justo, honesto, com um povo íntegro e culto.

Acho que vou pedir nacionalidade na Noruega! rs

Parabéns pelo texto e pela brilhante comparação feita nele.

3:13 PM  
Blogger Frega Jr said...

Grato pelo comentário, Gê. Mas não posso concordar contigo. abr

5:31 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home