sábado, junho 28, 2014

Bolsa-Prostituta

Pois tenho que reconhecer. A Bolsa-Puta existe. Claro, não aquela em anedota que criou até uma senadora fictícia, autora do projeto e que, evidentemente, seria do PT. Afinal, quem criou o Bolsa Família?

Mas ela existe sim. Não é de hoje, mas até hoje perdura.
É a Bolsa que a sociedade paga a corruptos, fiscais que cobram por fora, advogados que passam pra trás seus clientes, médicos que fajutam pontos, professores que se valem de licenças que correspondem, em média, a 29 dias por mês de acordo com o governo de S.Paulo. Este, aliás, também beneficiário da mesma bolsa, a serem verídicas as denúncias de tremensalões e promiscuidade nos pedágios.
Não ficam fora desse conjunto os que, em razão de função pública que exercem, superfaturam contratos, beliscam toda boquinha que podem. Os que passam férias na Europa com dinheiro público, os que vão a carnavais usando aviões da FAB, os congressistas que se vendem, os que os compram.
Ganham também essa Bolsa os que tem os olhos fechados pelo tráfico, pelas pequenas propinas pra livrar uma multa de trânsito, pelos que se vendem por quase nada e ficam no lucro, porque nada valem.
Todos beneficiados da Bolsa-Prostituta. À nossa custa.

Há também a Bolsa-Filhos-Dela. Esses são os piores.
São os que roubam dinheiro suado para a educação e saúde.
Os que torcem para que tudo dê errado - ainda que beneficie segmento da população - por questões meramente político-partidárias. Por mera disputa de poder.
Os que distorcem fatos deliberadamente, como forma de depreciar adversários, ao invés de enaltecer-se com propostas, por absoluta ausência delas.
Há também, não se pode esquecer, os que vendem o medo. Os profetas do apocalipse, os arautos do terror. As pitonisas das invasões que sofremos dos cubanos, russos, americanos, paraguaios e javaneses. 
Os que apregoam a necessidade de enveredarmos por uma ditadura como solução a nossos muitos problemas. Não são diferentes dos que combinaram a intervenção da VII Frota em caso de insucesso da revolução que foi comemorada há poucos meses.
E o que falar então daqueles que são capazes de vender sua Pátria por uns trocados, esses Judas modernos escondidos em escrivaninhas ou terminais e capazes de gerar ondas ciclotímicas de otimismo e pessimismo, servos de um tal "mercado" que cria e encerra crises sempre de acordo com seus ganhos.

Porém, alvíssaras. Mesmo juntando todos os beneficiados dessas Bolsas, ainda são a expressiva minoria em nosso País. País que generosamente acolheu seus ancestrais. País que ainda é muito maior do que todos esses cânceres. País que espera, tranquilamente, que caiam na realidade. E que abram mão voluntariamente de ficar recebendo essas Bolsas pagas pela população que luta por sua própria sobrevivência.

2 Comments:

Blogger Walkiria said...

Frega, esse é sem duvida alguma um dos textos mais lúcidos que já li desde que iniciou-se essa ridícula guerra partidária que conta apenas com vencidos (e convencidos, também.

Parabéns!!

6:10 PM  
Blogger Frega Jr said...

Obrigado, Walkiria. abr

5:28 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home