quinta-feira, fevereiro 24, 2011



Em 20 de fevereiro, cerca de 100 pessoas se manifestaram em Pequim, Xangai, Cantão e Hong Kong, respondendo a uma convocação de protestos em 13 cidades chinesas pela internet para exigir mais postos de trabalho, moradia e justiça. O movimento foi denominando "Molihua Gemin" ("Revolução do Jasmim", assim como os protestos ocorridos na Tunísia).
As manifestações foram respondidas com uma forte presença policial e acabaram sendo um relativo fracasso, mas apareceram novas convocações na internet para os próximos domingos nos mesmos lugares do dia 20. O objetivo é reivindicar que o regime ponha fim à corrupção, dê ao povo o poder de supervisioná-lo, melhore a liberdade de imprensa e garanta a independência da Justiça.

O site americano LinkedIn, rede social profissional na internet, anunciou nesta sexta-feira que está bloqueado na China, depois de ter sido o vetor de uma campanha pró-democracia virtual inspirada na "revolução do jasmim" da Tunísia.

"Confirmamos que o acesso ao LinkedIn está bloqueado para algumas pessoas na China. Isto parece ser parte de uma operação (de censura) mais ampla atualmente em curso na China e que afeta outros sites", afirmou à AFP Hani Durzy, porta-voz da empresa.

Uma convocação feita pela internet, inspirada nos movimentos de protesto no mundo ára

China: ideia de "Revolução do Jasmim" é "ridícula", diz porta-voz
24 de fevereiro de 2011 • 01h46 • atualizado às 01h58
comentários
19
Notícia
Reduzir
Normal
Aumentar
Imprimir
A ideia de uma "Revolução do Jasmim" acontecer na China, alimentada pelas recentes convocações de protestos em cidades do país asiático, é "ridícula e nada realista", destacou um porta-voz do governo chinês citado nesta quinta-feira pela agência oficial Xinhua.
De acordo com Zhao Qizheng, porta-voz da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (principal órgão assessor estatal), os problemas denunciados pelos manifestantes, como corrupção e desigualdade, "são assuntos aos quais o governo não está alheio". "Muitos desses problemas estão sendo solucionados, está progredindo", ressaltou Zhao aos jornalistas.

Causou polêmica o fato de o embaixador americano na China, Jon Huntsman, ter sido visto nos protestos do último domingo, em imagens divulgadas através de um vídeo postado na internet na terça-feira.
A embaixada americana em Pequim assinalou nesta quinta-feira que Huntsman e sua família se encontravam no local, por coincidência, após uma visita turística à Praça da Paz Celestial

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home