sexta-feira, julho 04, 2008

Y-Juca Pirama

"Tu choraste em presença da morte,
Em presença de estranhos choraste?
Não descende o cobarde do forte
Tu choraste, meu filho não és!"
Canto VIII Y-Juca Pirama, Antonio Gonçalves Dias

Todas as redes e noticiários fizeram questão de mostrar ontem as imagens do tenente Guidetti chorando compulsivamente em seu depoimento à Justiça, no contexto do inquérito sobre o episódio do Morro da Providência.
Não estou aqui nem para defender, nem para condenar o tenente. Considero-o também uma vítima.
Vítima da desestruturação social causada pela defesa ingente das pollyanas que só falam em combater a criminalidade, mas recusam-se a combater os criminosos.
Vítima por receber salário aviltante, que o força a conviver diariamente com traficantes e bandidos onde mora, numa cabeça-de-porco em um subúrbio, condição essa incompatível com sua posição de oficial do Exército brasileiro.
Vítima de uma má formação técnica e psicológica em uma Academia que deveria forjar fortes e não burocratas.
Vítima de uma ânsia inconseqüente de setores, inclusive na imprensa, em promover uma condenação final das Forças Armadas.
Vítima de chefes despreparados e, por vezes, até desleais.
Vítima. O que não reduz sua culpa.
Não tinha o direito de entregar seus prisioneiros a traficantes rivais. Não tinha o direito de manter relação cúmplice com bandidos. Não tinha o direito de pensar que a quadrilha rival daria somente um "susto" em seus inimigos de quadrilha.
Não tinha o direito de agir como o fez.
Mas, principalmente, não tinha o direito de chorar, de desmanchar-se em choro convulsivo. Assumisse sua conduta com dignidade. Não ridicularizasse a farda que estava vestindo.
Dentre todas as lições que não aprendeu na AMAN essa foi a mais crítica.
Não abandonar a honra frente ao combate, ao inimigo, à adversidade.

2 Comments:

Anonymous Umberto C. Guimarães Jr. said...

Frega Jr., bom dia!

Não sabia do fato narrado e não conhecia o seu blog; encontrei por acaso pesquisando outros assuntos na internet.

Li sua crônica/desabafo e me senti no dever de parabeniza-lo. O texto foi conciso, logicamente argumentado, explícito, direto e deu voz a milhares de anônimos que pensam e sentem como você, mas por motivos vários não têm espaço para se manifestar.

Peço sua permissão para passar adiante o texto e o link.

Abraços!

12:12 PM  
Blogger Frega Jr said...

Prezado Umberto,

Agradeço o comentário. Sinta-se à vontade em repassar o link. Difundir idéias não pasteurizadas pelas editorias da mídia tradicional é um dos objetivos deste espaço. Todos os artigos estão à sua disposição. Abraço

10:46 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home