segunda-feira, março 03, 2008

Fronteira da Legítima Defesa

Hipoteticamente. Meu vizinho dá guarida a elemento que constantemente invade meu terreno, rouba, estraga minha horta, quebra meus vidros, mata minhas galinhas. Quando o ataco, rapidamente pula a cerca e refugia-se, sob a proteção do vizinho.

Nesse caso, teria eu o direito de prendê-lo mesmo após pular a divisa do terreno, ignorando a violação dos limites?

Se sim, a Colômbia agiu corretamente. Caso contrário, não.

Eu entendo que sim; eu o faria tranqüilamente.

O Equador, assim como a Venezuela, utilizam as Farc como braço de desestabilização. Dão-lhe apoio, proteção. As ameaças de guerra que estão acontecendo foram infelizmente vaticinadas neste blog, em artigo publicado em 24 de janeiro sob o sugestivo título Tambores de Guerra. Digo sugestivo porque esse mesmo título foi utilizado ontem por Fidel.

A Farc, grupo terrorista sem lei nem causa, lobo a quem Chavez tenta vestir de cordeiro com o apoio de estilistas parisienses - não de St Honoré, mas do Eliseu - sofreu duro golpe com a morte de seu número dois e porta-voz internacional. Esse grupo tem mais é que ser combatido, mesmo. Não entendo como ainda não tinha sido atacado com competência.

Violaram-se fronteiras? Sim. Em resposta às constantes violações partidas dos territórios ora atacados. Tudo de acordo com os sonhos geopolíticos do coronel boquirroto.

E nós?

No mesmo artigo, aventei a possibilidade de abertura de conflitos diversionários em nossa fronteira norte. Mas, parece que isso não será preciso.

Desse conflito, encarregou-se o governo Lula, secundado pelo midiático Ministro da Defesa. Em raros momentos da história recente estivemos tão próximos de uma guerra civil em território nacional. O último que me recordo com características análogas foi o episódio do Acre, no começo do século XX.

Com uma diferença fundamental. Naquele, o governo brasileiro deu apoio a brasileiros que haviam declarado a independência do território e solicitaram sua incorporação à federação brasileira. No atual, em Roraima, o governo brasileiro empurra brasileiros a lutarem pela independência de um território membro da federação brasileira. O Brasil os está expulsando.

Certamente ONGs, o Príncipe Charles e sua WWF, grandes mineradoras e o Conselho de Segurança da ONU estarão de acordo e chancelarão a independência no primeiro momento, para em seguida instalarem um governo títere.

Lula e o seu Ministro com palmo e meio de nariz e que não enxerga meio palmo adiante dele, devem estar de acordo com isso. Já destacaram a Polícia Federal, a Guarda Nacional e mais meia-dúzia de paus-mandados para concretizar esse objetivo.

Menos mal que o Exército recusou-se a participar dessa traição. Ao menos um manteve a honra.

Além dos que ainda estão lutando para permanecerem brasileiros.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home