terça-feira, dezembro 12, 2006

Devassa Aérea

E não é que foi verdade?
Dia 28 de novembro publiquei que o TCU depois de propiciar muitas horas de ocupação para seu contingente de especialistas em generalidades examinar carimbos e papéis e gastar milhares de Reais de nosso suado dinheirinho, concluiria sua devassa - puro jogo para platéia - apontando que faltaram investimentos. Investimentos em quê?
Claro que não foi dito, a não ser genericamente, o óbvio risível, como equipamentos, sistemas, treinamento. Sempre falta isso em qualquer atividade, até na casa da gente.
Encontraram-se dois Ministros. Um para dizer isso. O outro, para rogar aos céus uma saída. Tenho pena desse último, mais assustado que cusco em tiroteio, torcendo que dezembro passe rápido e leve consigo o abacaxi que caiu no seu colo.
Ontem foi a vez do Cindacta II. Desligaram a energia para manutenção. Não acredito que os sistemas dependam exclusivamente da energia comercial, sem um no-break com gerador e banco de baterias. Seria muita irresponsabilidade. Esses sistemas não funcionaram? A informação oficial é que o desligamento estava programado.
Tenho fortes motivos para supor que isso é mentira.
Em primeiro lugar, não se faz manutenções dessa ordem em dia de semana, em pleno horário comercial. Em segundo lugar, se fosse programada, teriam antes testado a integridade do sistema reserva.
Estou começando a supor que, atrás desse caos aéreo, existem fortíssimos interesses econômicos, possivelmente ligados à questão de quem pagará o pato, ou melhor, a indenização pelas vítimas do 1907.
Vejam, se ficar comprovada a ineficiência do sistema de controle e a eventual culpa de controladores, agentes do Estado que são, a dolorosa será remetida diretamente à viúva que, com nossos impostos, cobrirá mais essa.
Estão fazendo tudo para desmoralizar o sistema, para provar que não funciona o que até setembro passado era exemplo.
O CINDACTA II, com sede em Curitiba, abrange o Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e partes de São Paulo. É trafego pesado e região com fronteira extensa.
Antes, foi a vez do CINDACTA I, com uma "queda" inexplicável de freqüência. O próximo, qual será? O III ou o IV?
Enquanto isso, o TCU diz que faltou investimento.
No bordão do Barrentinho, personagem do saudoso Bussunda - Fala sério!

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home