sexta-feira, dezembro 08, 2006

Bandido Profilático

Os brasileiros, em todas as classes econômicas e sociais, convivem e sofrem as conseqüências da epidemia de violência que nos cerca e ameaça. Há um clamor público, solenemente ignorado pelos que fazem as leis e pelos que as aplicam. Aqueles, sempre jogando para a platéia. Não conseguem impedir o contrabando de armas, como corolário, proíbem ao cidadão honrado tê-las.
Os últimos, com uma leniência fraterna, olham o crime pelo ponto de vista do bandido e não da sociedade que lhes contratou para puní-lo.
Todos, cercados de seguranças pessoais que nós também pagamos, vivem na ilha da fantasia, à margem da vida do cidadão.
Aí aparece um bandido que, fazendo o mal, presta um grande serviço. Assalta os Min. Ellen Gracie e Gilmar, no trajeto entre o Galeão e a Zona Sul.
Ohhhhh... comoção nacional. A segurança falhou. Não, não, a Ministra é que não pediu a segurança especial do TJRJ. Ohhhh...
A terceira figura na linha de sucessão brasileira foi assaltada, ficou sem suas malas, batons e maquiagens. O Ministro coadjuvante na desventura, talvez sem sua carteira, cartões de visita, de crédito e débito. Ohhhhh...
Entrevistada hoje, a Sra Presidente do STF disse que estava tudo bem, que a Governadora havia lhe ligado. Cumpriu a agenda oficial com a roupa de ontem (talvez tenha comprado em um shopping 24 horas uma ou outra peça de troca urgente e um tubo novo de laquê. Do Ministro, nada se falou, mas é de se supor que tenha feito o mesmo, excetuando, claro, o laquê.
A Governadora Garotinho, com algumas ações que certamente serão questionadas nesse mesmo Tribunal, agiu rápido. Determinou imediata repressão policial, que matou os dois culpados na Tijuca, menos de 24 horas após o ocorrido. Digo culpados porque, depois de entregarem suas almas a Belzebut, voltaram do mundo dos mortos para avisar os policiais que tinham sido eles. A Polícia Civil ainda não se pronunciou, nem quanto à culpabilidade, nem quanto à confissão post-mortem.
Como todos são iguais perante a lei, afirmado e reafirmado pelo Supremo com intensidade somente menor do que a presunção de inocência para culpados confessos e assinados, a Gov Garotinha estará perdoada por não cumprir a Lei de Responsabiliade Fiscal, pois a conta do telefone será astronômica caso ligue para todos os assaltados no Rio de Janeiro. Além dos cemitérios que serão ampliados para agasalhar em sono eterno os bodes expiat, digo, os defuntos boquirrotos.
Quem sabe, dessa salada, na medida em que os altos escalões sejam forçados a descer de seus pedestais, abandonar o irrealismo e viver, pouco que seja, os dramas da população; quando sentirem que já não estão mais tão seguros assim, porque a epidemia arrisca a todos de contágio, adotem medidas pragmáticas no combate à violência, nem que seja por razões de sobrevivência própria.
Os Ministros sentiram na carne o que os turistas sentem todos os dias no Rio de Janeiro e o que a população sente todos os dias no Brasil.
Senhores Ministros, bem-vindos ao mundo real.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home