quarta-feira, outubro 31, 2007

O Avião e o Mico

Jobim, ao que parece, conseguiu afastar Zuanazi da Anac. Zuanazi, indicado por Mares Guia em claro desvio de atribuições (deveria chamar-se Ares Guia), foi transformado no bode expiatório da crise aérea e tornou-se o mico na mão do governo.
Embora discorde totalmente do modelo adotado para as malditas agências desreguladoras, Zuanazi passou a contar com minha simpatia na medida em que foi o único a se contrapor à arrogância jobiniana. Devia, em minha opinião, bater o pé e não sair. Ou pelo menos sair somente em 2011, depois do Lula, independentemente do vociferante Jobim não gostar.
Não agüentou a pressão ou foi recomendado por seu padrinho a desocupar a moita.
Sai o mico; entra o avião.
A indicação do prepotente Jobim recaíu sobre uma economista de sua equipe. Preconceitos à parte, a escolhida é uma mulher bonita.
Digo preconceito porque ninguém teve culpa pessoal em ser bonito ou feio. E não é por ser bonita a moça que deverá ser incompetente para a função. Mas nós estamos acostumados a ver canhões, não aviões, na política. O modelo erundiniano, que emerge da pré-história para a atualidade das escadas e corredores, dos carimbos e alvarás, parece fazer parte de nossa cultura. Não me lembro de outras mulheres bonitas a figurarem nos escalões políticos, a não ser as mônicas-veloso da vida, mas por outros motivos.
Pode ser efeito do photoshop nas fotografias das revistas. Um bom operador desse software é capaz de transformar a Hebe Camargo em Carolina Dieckman num piscar de olhos.
Deixando de lado a estampa física da futura conselheira e a coincidência da Anac passar a ser presidida por um avião, qual seriam os outros atributos da indicada? Conhecerá ela alguma coisa de aviação além do lanche servido nas viagens?
Em todas as companhias aéreas, o responsável pelas operações é profissional da aviação, conhecedor do assunto. Para Jobim, a Anac não precisa disso. Basta conhecer direito administrativo. Tecnocracia braba.
Porém, do episódio, ganharemos todos.
Afastado o mico Zuanazi, a quem Jobim culpará pelos próximos episódios? Quem será a bola da vez?
Taí, acho que será Jobim, que ficará envenenado com seu próprio veneno.
A não ser que, milagrosa, imediata e simultaneamente, consiga que não haja mais atrasos nos vôos; que as informações nos aeroportos passem a ser divulgadas em tempo real; que os cancelamentos sejam cancelados; que as pistas de Congonhas cresçam de um dia para o outro; que São Pedro proíba chover nas áreas terminais e que as nuvens não desçam abaixo de mil metros; que a Airbus, assim como os outros fabricantes, tenham 110% de segurança sobre todas as variáveis e suas infinitas combinações em seus sistemas de vôo; que pilotos americanos não mais desliguem o transponder; que o controle de tráfego aéreo tenha abundância na redundância.
Se tudo isso não acontecer, se Jobim não tiver mais o mico Zuanazi para culpar, a sociedade verá seu nariz crescer.
E a arrogância, factualidade e a pirotecnia são o Gepeto dos Pinocchios. Características essas que não faltam em Jobim.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home