segunda-feira, janeiro 19, 2009

Jurista dos Palanques

Não poucas vezes fica tão patente o conflito entre o legal, o justo e o moral. Nossa tendência natural, seja por comodismo ou ignorância, é os assumirmos como conceitos homônimos. Não há medida coercitiva, punitiva ou arbitrária das autoridades que não receba o apoio, se não o aplauso, de algum entrevistado ao volante de um carro. Mesmo se tratando dos mais escrachados factóides paridos nos subterrâneos dos contrans da vida. O que não impede de, intimamente, deplorarmos a insanidade dessas autoridades, ao tempo de as aplaudirmos frente às câmeras.
Pois bem. O ocupante da cadeira de Ministro da Justiça conseguiu sublimar as diferenças com o episódio do asilo político a Cesare Battisti.
Terrorista assumido, condenado em última instância por 4 homicídios à conta do grupo Proletários Armados para o Comunismo, recebeu o asilo do governo brasileiro. Segundo Tarso, trata-se de crimes políticos.
Para Tarso, mestre do sofisma e que congrega os piores estereótipos da escola cínica, capaz de corar Diógenes na própria tumba, entende que o Brasil possui bandidos de menos em seu território, num desequilíbrio fatal. Não os temos que chegue? Há que se importá-los.
Pelo precedente de Tarso, Bin Laden, Sadegh, Ilich Ramirez Sanchez (Carlos), os líderes e liderados de todas as organizações terroristas, da Farc ao Fatah; de todas as polícias políticas, da KGB à SD, todos que assassinam e assassinaram, aleijam e aleijaram, escalavram e escalavraram, mutilam e mutilaram em nome de idéias, merecem o instituto do asilo político.
Em paralelo, o mesmo Tarso faz uma turnê midiática à Mônaco como se tivesse estatura moral ou jurídica para pressionar pela extradição de Cacciola. Diga-se de passagem, a maioria dos crimes de que é acusado prescreveram. Poderia o farsante dedicar semelhante empenho para punir os que aqui estavam e continuaram, como Chico Lopes e, quem sabe, respingando um inqueritozinho do gerúndio Fernando Cardoso. Mas nesse vespeiro não tem coragem de pôr a mão. Tarso nunca primou pela coragem, ao que se saiba. Gente desse tipo, nos entreveros gaudérios, posa é de china.
Tarso agiu em nome do povo brasileiro para essa inconseqüência. Lula, pra variar, finge que não viu, não sabe e se questionado, é capaz de sair com um nunca antes na história desse país, ............
A decisão patrocinada por Tarso, longe do conflito, é imoral, injusta e legalmente questionável.
Palmas pra ele. O jurista dos palanques conseguiu.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home