FregaBlog

quinta-feira, janeiro 12, 2012

Presente de Grego

Uma notícia interessante de ontem. A crise grega já lançou 20% de sua população na linha da miséria. Impressionante, um quinto da população.
Culpa dos gregos? Sim e não.
Sim, porque embarcaram na arrogância européia do euro, dos novos ricos, do posso mais do que realmente posso. Novo Cavalo de Tróia
Não, porque é reflexo do neocapitalismo globalizante, cuja adesão mundial foi patrocinada a peso de ouro, comprando editorias, fomentando guerras, concentrando renda.
As grandes corporações mudam suas sedes para paraísos fiscais, onde contabilizam seus lucros. Suas empresas controladas contabilizam os prejuízos por artifícios contábeis ou mesmo por superfaturamento direto em suas aquisições de insumos intra-grupo. Como de resto fazem aqui as telefônicas internacionalizadas por FHC. Nos países empregadores, geram prejuízos, não recolhem impostos sobre lucros. Ou os minimizam. Os lucros contabilizados nos paraísos fiscais, se taxados, sofrem incidência menor de impostos. Ganham os acionistas. Concentra-se mais a renda.
Aos governos que embarcaram nessa onda - quase todos no mundo - resta pagar a conta do desemprego, da inclusão, dos serviços públicos. De fato, não há orçamento público que aguente. Países endividam-se no financiamento dos déficits. Quem ganha? As mesmas corporações que motivaram esse endividamento, por meio de seus tentáculos financeiros, a maldição que chamam mercado.
Esse reengenharia cruel acaba sendo pior do que o despotismo medieval. É intolerável a insensibilidade com a dignidade humana em troca de poder.
É inadmissível aceitarmos a soberania da produtividade a qualquer preço, incluindo neste a dignidade humana.

quarta-feira, janeiro 11, 2012

Terrorismo

O cientista nuclear iraniano e professor universitário Mustafa Ahmadi Roshan, 32 anos, morreu nesta quarta-feira após uma bomba explodir em seu carro no norte de Teerã, informou a imprensa local. (Fonte Portal Terra)

Desnecessário bola de cristal ou grupo especial do FBI. Tá na cara que é terrorismo. Assassina-se o cientista no contexto da disputa de área de influência. Terrorismo puro.

Essa tática tem sido utilizada ao longo da história, assassinatos seletivos. Pessolmente, considero mais válido do que os assassinatos massificados nos campos de batalha. Não me choca. Mas me agride é a hipocrisia.

Nós mesmos fomos vítimas desses atentados diversas vezes. A mais recente e talvez mais danosa foi o atentado ao nosso programa aeroespacial na Base de Alcântara. Estima-se que atrasou em mais de uma década nossos desenvolvimento e comprometeu significativamente nossas ações de defesa nacional.
Nos últimos anos, especialmente os Estados Unidos e seu patrão, Israel, têm se especializado nesse tipo de atentado. Com técnicas sofisticadas de inteligência e espionagem, os ataques são cada vez mais seletivos.

Agora, com que moral esses hipócritas rosnam e latem contra o terrorismo, pretextando suas guerras e intervenções arrogantes mundo a fora? A única ação eticamente sustentável seria assumir que são tão terroristas quanto aos que alegam combater; que agem e agirão sempre de acordo com seus interesses; que preferem esses atentados à sangria de uma guerra.

Perfeito. Receberiam meu aplauso.